Montar a própria clínica médica

Aprenda como montar uma clínica médica impecável!

Montar a própria clínica médica ou consultório é o desejo de muitos profissionais de saúde, mesmo com a maior dificuldade que a competitividade atual do setor impõe. Ter o próprio negócio traz diversas vantagens, como ser o próprio chefe e oferecer ao paciente o melhor atendimento e comodidade de acordo com os seus próprios parâmetros.

Sabemos que abrir uma clínica médica não é uma tarefa fácil. É preciso organização e comprometimento para que todas as etapas necessárias sejam cumpridas de forma completa e sustentável.

Mas, não se preocupe! Organizamos este post para ajudar você a aprender como montar uma clínica médica de forma impecável. Acompanhe!

Localização da clínica

A localização da clínica é uma das primeiras escolhas que o profissional de saúde tem que fazer e possui muita relação com o sucesso do estabelecimento. Os principais pontos que devem ser levados em consideração são:

  • densidade populacional da área;
  • perfil de consumidores locais;
  • concorrência (outras clínicas e consultórios da região);
  • fatores de acesso e locomoção (transporte público, estacionamento);
  • visibilidade;
  • proximidade com os clientes que serão o público-alvo (relacionada à categoria de atendimento);
  • segurança e limpeza do local;
  • proximidade com outros serviços de saúde para complementar (laboratórios, exames).

É interessante escolher um local que permita crescimento no futuro. Assim, não será preciso mudar o endereço se houver uma expansão da clínica.

Categoria de atendimento

A categoria diz respeito ao tipo de atendimento que é realizado na clínica. A Agência Nacional de Saúde (ANS) é o órgão responsável por criar essas categorias. As principais para clínicas médicas são:

  • clínica popular: clínicas multidisciplinares e com consultas a baixo custo — pode ou não trabalhar com planos de saúde e costumam ter mais fluxo de atendimento devido a suas características;
  • consultório médico com até duas especialidades: clínica com até dois sócios ou profissionais — costuma ser formada por profissionais de especialidade que se complementam (ex: dermatologista e esteticista, dentista e ortodontista);
  • clínica geral que efetua pequenos procedimentos médicos.

Essa escolha é feita principalmente de acordo com a especialidade dos profissionais que atuarão na clínica.

Exigências legais

Assim como qualquer empresa, uma clínica médica precisa atender a algumas exigências legais para poder ser aberta. Os principais requisitos para elas são:

  • cadastro estadual da vigilância sanitária;
  • registro no CNES (cadastro nacional de estabelecimentos de saúde);
  • licença de funcionamento (normalmente disponibilizado pela prefeitura);
  • autorização do corpo de bombeiros.

O ideal é procurar os órgãos responsáveis para as devidas inscrições e receber instruções detalhadas. Outro ponto importante é a contratação de um contador, profissional que vai elaborar os atos constitutivos da clínica, auxiliar na escolha da forma jurídica adequada e preencher os formulários exigidos pelos órgãos públicos.

Por fim, os estabelecimentos de saúde devem seguir a legislação específica sobre o tema que regula os serviços públicos e privados.

Estrutura física

Os detalhes da estrutura física da clínica médica dependem do tipo de atendimento que será realizado, porém alguns espaços são necessários em qualquer tipo de clínica:

  • sala de espera com espaço para secretária e pacientes;
  • sanitários femininos e masculinos (de preferência com acesso a portadores de necessidades especiais);
  • sala de coleta de exames (quando necessário);
  • consultório médico com espaço para maca;
  • depósito de material de limpeza;
  • sala de expurgo e esterilização (quando necessário);
  • depósito de resíduos;
  • sala para armazenamento de materiais.

Recursos humanos

O próximo passo diz respeito a escolha dos recursos humanos que atuarão na clínica. Mais uma vez, essa escolha depende do tamanho e tipo de atendimento que será feito no local. É preciso atenção redobrada na seleção e avaliação de pessoal, principalmente porque o trabalho em saúde envolve maior risco e requer maior precisão e segurança dos profissionais.

O ideal é contratar pessoas que, além da capacidade técnica, tenham habilidades para entender e atender as expectativas dos pacientes. Lembre-se de que bons funcionários aumentam a qualidade do serviço prestado, elevam o nível de retenção dos pacientes e melhoram o desempenho do negócio.

Além dos profissionais de saúde que farão o atendimento direto, é preciso contratar também:

  • profissional da área de administração;
  • secretários e recepcionistas;
  • auxiliares de serviço geral (limpeza, organização).

Equipamentos médicos e administrativos

O cuidado em saúde depende, em grande parte, do uso de tecnologias para diagnóstico e tratamento de diversas condições. Assim, a definição e compra dos equipamentos necessários também fazem parte da lista de afazeres quando se pretende montar uma clínica médica. A escolha depende das especialidades e serviços prestados pela clínica.

De modo geral, os equipamentos podem ser divididos em:

  • equipamento de apoio e administração: mesas, cadeiras, computadores, ar-condicionado;
  • móveis hospitalares: maca, mesa para exame, cadeira de rodas;
  • equipamento de manipulação: estetoscópio, esfigmomanômetro, otoscópio;
  • equipamento para diagnóstico: raio-X, microscópios, eletrocardiograma etc;
  • equipamento para tratamento: equipamentos odontológicos, mesa de fisioterapia, instrumentos para procedimentos dermatológicos etc.

Investimentos e custos

Todos os passos que citamos anteriormente envolvem investimento e custos que são necessários para montar uma clínica.

É parte do planejamento listar todos esses custos iniciais, além dos custos fixos que continuarão ao longo de todo a existência da clínica (aluguel, contas, salários). Esse dimensionamento é necessário para se calcular quantos atendimentos devem acontecer para cobrir os custos e gerar lucro.

Para fixar, listamos alguns dos investimentos iniciais da clínica:

  • custos com estrutura física (construção ou reforma);
  • compra de equipamentos;
  • estoques de material;
  • software de gestão.

Divulgação e marketing

Agora que a clínica está praticamente pronta, vem o passo da divulgação. Uma divulgação bem-feita é o ponto crucial para o sucesso da clínica, afinal, é por meio dela que os pacientes podem conhecer o trabalho e agendar consultas.

A melhor maneira de realizar esse passo é investir em marketing. Existem atualmente estratégias específicas para o setor de saúde, que envolvem:

  • criação de uma identidade visual;
  • criação de um site e páginas nas redes sociais;
  • envio de e-mail marketing;
  • entre outros.

Administração do estabelecimento

Todo o processo de montar uma clínica médica e dar continuidade ao trabalho no estabelecimento envolve um planejamento e gerenciamento contínuo. O gestor precisa buscar formas de acompanhar todos os processos que acontecem, seja na área financeira, de pessoal ou administrativa.

Esse trabalho pode parecer complicado, mas existem diversas ferramentas que podem auxiliar. Uma delas é o sistema médico, um software de gestão criado especificamente para o gerenciamento em saúde. Ele facilita a gestão por meio de várias funcionalidades e automatização de processos.

Esperamos que por meio desse post você se sinta mais motivado e preparado para montar uma clínica médica do jeito que sempre sonhou. Que tal começar contratando um software médico de alta qualidade? Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar!

Responder

*

Next ArticleDescubra quais os melhores indicadores para clínica médica