internet das coisas

Como o setor de saúde está trabalhando com internet das coisas?

Você já imaginou poder ter ao seu alcance uma série de objetos e aparelhos interligados por meio da internet, que pudessem facilitar a sua rotina? Apesar de ainda parecer um pouco distante, essa tecnologia chamada de internet das coisas está cada vez mais presentes no cotidiano das empresas, inclusive na área médica, e é uma verdadeira revolução na forma como lidamos com os aparelhos eletrônicos.

Depois da melhoria dos processos de gestão por meio de softwares inteligentes, acesso a um imenso banco de dados (o Big Data) e uma série de avanços tecnológicos, a internet das coisas na saúde visa facilitar o atendimento dos pacientes, proporcionando uma melhor experiência, mais precisão no diagnóstico e no acompanhamento em geral.

Então, se você quer entender melhor como funciona essa tecnologia, quais as vantagens que ela traz para a saúde e como ela pode melhorar a sua gestão, leia este artigo até o final e confira!

O que é internet das coisas?

A internet das coisas ou IoT (sigla para o nome em inglês que quer dizer Internet of Things) consiste em atribuir aos aparelhos não considerados inteligentes, a capacidade de se conectar com outros aparelhos por meio de sensores de presença, mapas de calor ou de microcâmeras e, dessa forma, enviar informações.

Esses aparelhos podem ser usados para monitorar condições climáticas, identificar a presença de outras pessoas ou acompanhar as condições físicas de um paciente, por exemplo.

Basicamente, podemos entender a internet das coisas como a conexão de objetos para um determinado objetivo, ela é uma realidade que está em constantes transformações e desenvolvimento.

A ideia da IoT é focar em um futuro em que, com o auxílio da inteligência artificial, a maior partes dos processos presentes em casas, objetos ou até mesmo cidades inteiras estejam interligados. Dessa forma, essa tecnologia poderá resolver problemas do dia a dia, garantir mais eficiência e gerar oportunidades.

Pense, por exemplo, na economia que uma empresa teria ao contar com sensores que impedissem o desperdício de água ou eletricidade quando esses insumos não estivessem em uso.

Além disso, é possível aliar o seu potencial com as ferramentas do Big Data para otimizar as ações na empresa e, também, auxiliar líderes e gestores na identificação de padrões de consumo ou na necessidade de melhorias. Em todos os cenários seria um grande avanço para a otimização de resultados.

A IoT também pode auxiliar na formulação de novas políticas públicas, como na área de segurança, ao monitorar as áreas de risco e agilizar a ação das equipes. Já na saúde, como veremos no próximo item, essa tecnologia pode mudar completamente a relação entre o médico e o paciente.

Como usar a internet das coisas na saúde?

Podemos observar que já existe uma forte tendência da modernização do setor de saúde por meio de avanços tecnológicos. Tudo isso graças à internet, aos softwares de gestão cada vez mais eficientes, banco de dados e ferramentas que aprimoram o uso de equipamentos para o diagnóstico do paciente.

Com isso, a Internet das Coisas é um assunto que está em pauta nas discussões sobre os avanços da medicina e já conta com um crescimento de ações em todo mundo. Como a tendência é que as pessoas, de um modo geral, interajam cada vez mais com objetos e com a internet, a transformação também deve ocorrer em clínicas, hospitais e consultórios.

Hoje, já é possível notar um aumento do número de aplicações ou gadgets que são capazes de desempenhar funções importantes, como capturar e monitorar sinais vitais, doenças ou características individuais.

Com isso, constrói-se a ideia de autonomia do paciente em relação à sua saúde. E isso só é possível graças à interligação de diversos dados vindos de variadas tecnologias que conversam entre si.

O uso da internet das coisas na saúde, atualmente, pode ser percebido por meio de sensores que enviam alertas para o médico, como em casos de paradas cardíacas, aplicativos de celular que monitoram a quantidade de passos e o gasto calórico ao longo do dia, ou dispositivos que verificam tremores em pacientes com Mal de Parkinson.

Dessa forma, é possível perceber que a internet das coisas possibilita um aprimoramento do sistema de saúde, revolucionando a relação com a medicina, já que com acesso à rotina do paciente e seus dados pré ou pós-operatórios, é possível que ele reduza consideravelmente o seu deslocamento até o consultório ou clínica.

Quais os benefícios da tecnologia para a gestão da saúde?

A implantação e utilização em massa da internet das coisas na saúde ainda enfrenta alguns desafios, como a falta de recursos financeiros, modernização em estruturas hospitalares, manuseio da tecnologia pelos médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde, uso de baterias que necessitam de cargas especiais e, inclusive, o maior risco de invasão ao banco de dados, pois há uma maior quantidade de dispositivos conectados à rede mundial de computadores.

Entretanto, apesar desses desafios, a internet das coisas apresenta grande potencial na área da saúde e oferece alguns benefícios relevantes, tais como:

  • diagnóstico mais preciso e rápido dos pacientes;
  • maior controle da gestão da clínica ou hospital;
  • menor deslocamento para consultas de rotina, pois alguns dados podem ser enviados de casa;
  • economia de recursos, mesmo com o investimento inicial em tecnologia;
  • resposta rápida em casos de emergência, já que os sensores estão interconectados;
  • desenvolvimento de novos tratamentos a partir da observação dos pacientes;
  • alertar ao paciente sobre situações de risco, principalmente idosos;
  • criar condições melhores para que portadores de necessidades especiais cuidem da saúde.

Como você pode observar, aderir à tecnologia para a gestão de qualquer empreendimento é uma tendência inevitável. Assim, o uso da internet das coisas na saúde também pode proporcionar um melhor atendimento aos pacientes, melhorando a forma como é feita a gestão e, consequentemente, aumentando a eficiência dos processos e a sua qualidade de vida.

E aí, o que você achou sobre o uso dessa tecnologia na saúde? Quer saber mais sobre gestão, tecnologias e outras ferramentas para melhorar o desempenho de sua clínica? Não perca tempo e siga nossas redes sociais. Estamos no Twitter e no Facebook!

Responder

*

Next ArticleEntenda como a decoração da clínica interfere no atendimento aos clientes