Big Data na saúde

Entenda como o Big Data é utilizado na saúde

O uso da tecnologia está cada vez mais frequente em quase todos os serviços dos quais precisamos, incluindo o atendimento médico. Na medicina, os recursos tecnológicos fornecem uma série de ferramentas que facilitam tanto a vida do paciente quanto a do profissional. Um desses recursos é a utilização do Big Data na saúde. Você já ouviu falar desse conceito?

Neste artigo vamos explicar o que é Big Data, como funciona, de que forma ele pode ser utilizado pelos profissionais de saúde, além das principais vantagens para esse setor. Vamos lá?

O que é Big Data e como funciona?

Big Data em português pode ser entendido a grosso modo como “grande arquivo”. De forma geral, podemos entender o conceito como um conjunto de arquivos tão grandes e complexos que são impossíveis de serem lidos e interpretados por aplicativos tradicionais de processamento.

Os dados analisados podem ser de origem diversa, como pesquisa em redes sociais ou relatórios científicos e, para realizar a busca, basta filtrar pela área desejada. Com a capacidade de interpretar arquivos robustos, a ferramenta tem se tornado imprescindível para a tomada de decisões administrativas em qualquer setor: desde pesquisas relacionadas à tecnologia até sistemas financeiros.

O Big Data possibilita ainda que todos as informações sejam armazenadas de forma segura e sistematizada. Outra grande vantagem desse tipo de tecnologia é a organização, já que é o primeiro sistema que oferece um armazenamento de dados completamente informatizado, em que tudo pode ser encontrado em poucos cliques.

Na área da saúde, sobretudo na medicina, essa tecnologia facilita o trabalho dos médicos e dos profissionais na recepção, além de garantir melhor atendimento ao paciente. A seguir, entenda um pouco mais sobre o uso dessa ferramenta no setor.

Como é o uso do Big Data na saúde?

Já não é novidade que, em apenas alguns anos, a atividade médica contará com um apoio significativo de sistemas avançados de computadores. O uso do Big Data na saúde é um indício dessa previsão, uma vez que, como vimos, a ferramenta permite uma análise precisa de qualquer informação armazenada.

Apesar de não ser uma ferramenta exclusiva da área médica, ela pode ser de grande valia no que diz respeito à hora de realizar diagnósticos e consultar o histórico de um paciente, por exemplo.

A revolução no atendimento médico se apoia em três pilares: o Big Data na saúde, a nanotecnologia e a computação cognitiva, que permitem executar uma coleta minuciosa de dados, armazenamento seguro e interpretação de forma rápida e precisa.

Dessa forma, o uso da tecnologia de análise de arquivos contribui ao ajudar a criar uma espécie de mapeamento do perfil do paciente, o que permite o monitoramento do seu comportamento online. Isso, aliado à coleta de dados realizada por aparelhos nanotecnológicos, que são responsáveis por uma série de exames e coleta de materiais.

Assim, todos esses elementos podem ser avaliados e comparados (seja em conjunto ou separados) graças ao sistema de computação cognitiva, responsável por relacioná-los ao comportamento humano.

Ou seja, em um trabalho em que qualquer erro pode ser fatal, ter uma interpretação exata dos dados é totalmente benéfico para os médicos.

Quais as vantagens para o setor de saúde?

Para entender um pouco mais sobre as funções dessa tecnologia, confira a seguir, os principais benefícios para a área da saúde.

Maior compreensão de doenças

O Big Data possibilita buscas em banco de dados que permitem uma melhor compreensão de doenças, como o câncer ou HIV, por exemplo. Graças a informações disponíveis em todo o mundo, é possível acelerar a descoberta de tratamentos e vacinas. Assim, o médico pode avaliar mais facilmente problemas semelhantes ao do seu paciente e o tratar da melhor forma possível.

Agilidade nas pesquisas

Outra beneficiada com o uso do Big Data na saúde é a indústria farmacêutica que, graças ao banco de informações, pode agilizar o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos farmacológicos.

Funciona assim: ao analisar os aspectos sobre os pacientes, incluindo avaliações de reações ao tratamento, as pesquisas se tornam mais rápidas e precisas.

Controle de epidemias

Com o cruzamento de dados de locais, pacientes, viagens, local de origem e relatórios médicos é possível traçar um mapa epidemiológico, identificar possíveis surtos e executar medidas preventivas a doenças como ebola, dengue ou febre amarela, por exemplo.

Além disso, o Big Data permite pensar quais as melhores estratégias de combate a esses problemas em escala global, avaliando a eficácia de todas as táticas utilizadas ao redor do mundo.

Melhor monitoramento da saúde

Com o uso da tecnologia, fica mais fácil para os pacientes e médicos entenderem a predisposição de algumas pessoas para determinadas doenças a partir da análise dos dados de todos os familiares ou indivíduos que tenham o estilo de vida parecidos.

Também é fundamental para monitorar a saúde dos pacientes, pois tem a possibilidade de combinar exames em geral, permitindo uma maior compreensão dos riscos pelos quais passam cada pessoa.

Redução de custos

Outra grande funcionalidade dessa ferramenta são as aplicações na gestão de hospitais e clínicas. O Big Data fornece análises de projetos clínicos, garantindo mais direcionamento na hora de resolver os problemas. Assim, as métricas e estatísticas fornecidas ajudam na tomada de decisões dos gestores, melhorando o estabelecimento e reduzindo gastos.

Medicina personalizada

A utilização da ferramenta contribui para um atendimento mais personalizado já que permite acesso ao prontuário com todos os protocolos e registros de atendimento, fazendo com que o médico, ao se deparar com um paciente, consiga identificar qual o melhor tratamento para ele.

Ainda devido ao cruzamento de informações, é possível que o profissional de saúde identifique, baseado em perfis semelhantes, qual o melhor tipo de medicamento ou entenda e evite cirurgias, entre outras possibilidades.

Excelência universal

As informações obtidas dos pacientes fornecem dados capazes de possibilitar a criação de um banco de dados universal que reúne todos os protocolos e tratamentos de excelência já utilizados. Esses protocolos aumentam a eficiência e a velocidade do trabalho do médico e garantem que o melhor tratamento chegue ao paciente.

A tecnologia, de modo geral, é uma ótima aliada na gestão de clínicas e o uso do Big Data na saúde é uma tendência mundial que pode trazer inúmeros benefícios. Que tal conhecer mais sobre essa possibilidade?

Agora que você entendeu melhor como o Big Data pode ser utilizado na saúde, o que você acha de contar aos seus colegas? Compartilhe em suas redes sociais!

Responder

*

Next Article6 dicas para fazer a gestão de estoque em clínicas