relação médico-paciente

Relação médico-paciente: 8 dicas para melhorar em sua clínica

Uma boa relação médico-paciente sempre foi fundamental na atuação do profissional de saúde, pois somente com o estabelecimento de uma parceria de confiança torna-se possível obter o melhor diagnóstico, tratamento e prognostico para qualquer doença. No entanto, em termos tão competitivos, isso torna-se ainda mais crucial.

É muito importante ter uma boa sinergia com as pessoas que buscam atendimento no consultório, pois a concorrência é cada vez maior e o público não hesita em procurar outro local quando não sentir segurança. Sendo assim, confira o conteúdo a seguir e conheça algumas dicas para melhorar em sua clínica nesse aspecto.

1. Tenha foco total no paciente

Uma das melhores dicas para quem quer aprimorar a relação médico-paciente é colocar todo o foco na pessoa que está entrando no seu consultório. Por mais obvio que isso possa parecer, não é raro que os problemas do dia a dia e até mesmo a grande variedade de possibilidades diagnósticas possa atrapalhar esse momento.

Diante dessa realidade, é muito importante tirar um momento para se preparar para a consulta e se concentrar em tudo o que vier adiante. Compreenda o que levou esse indivíduo até você, capriche bastante na anamnese e no exame físico, procure não ter pressa e sinta a diferença.

2. Estabeleça uma conexão com as pessoas

Ter foco total é muito importante e certamente é o primeiro passo para uma boa relação médico-paciente, mas estabelecer uma conexão é outra dica fundamental para quem deseja ter sucesso nessa seara. Mais uma vez, isso pode parecer bastante óbvio, mas nem sempre é executado no dia a dia do profissional.

Procure alongar a sua atuação e tente saber um pouco mais sobre aquele indivíduo e seu seio familiar, seu círculo social e as situações que ele passou recentemente, ouvindo atentamente a resposta. Procure também interagir respondendo e jamais se esqueça de fazer contato visual e acenar com gestos.

3. Procure ser claro e didático

O linguajar técnico da medicina pode ser complicado até mesmo para profissionais da área de saúde. Dessa maneira, não é difícil imaginar que ele também não costuma ser nada simples para os pacientes, que podem ter os mais variados graus de instrução e, logicamente, contam com um componente emocional durante a própria consulta.

Portanto, procure ser claro e didático, deixando qualquer vaidade intelectual de lado por um instante. Alguns termos podem parecer óbvios para quem fala e ao mesmo tempo não possuírem o menor sentido para quem ouve. Reduzir ao máximo os ruídos durante essa comunicação é imprescindível.

4. Invista no seu consultório

Investir no consultório é muito importante para conferir mais autoridade para o profissional, para a publicidade e para o marketing da clínica enquanto empresa, mas também não deixa de ser uma estratégia que tem muito a contribuir para a construção de uma boa relação médico-paciente.

É essencial, por exemplo, acertar na escolha da mobília da sala de espera, garantindo que eles priorizem o conforto dos visitantes e dos acompanhantes que vão utilizá-las. Use também as cores a seu favor, apostando em tons neutros e contemporâneos. Lembre-se de oferecer distrações, como televisão e revistas, para amenizar a eventuais demoras.

5. Procure ser bastante paciente

Ter paciência é outra etapa crucial que é inerente à profissão e também poderá melhorar a relação médico-paciente. Lembre-se que ele já está provavelmente fragilizado por conta do seu estado de saúde e muitas pessoas já ficam nervosas só de pensar em realizar uma consulta.

Além disso, aceite que, em tempos nos quais a internet se faz presente no dia a dia de qualquer um, os mais curiosos podem fazer questionamentos ou ter mais dificuldades em acatar uma sugestão de tratamento ou um diagnóstico. Tenha jogo de cintura e procure contornar essa situação sem se irritar.

6. Evite chegar muito atrasado

Sabemos que chegar atrasado é algo que, sobretudo nos grandes centros urbanos, pode acontecer com qualquer um. É impossível ter total controle sobre o trânsito, prever engarrafamentos ou controlar o tempo. No entanto, é muito importante se precavido e tentar ser tão pontual quanto possível.

Tente se colocar no lugar dos seus pacientes: você gostaria de passar horas esperando por uma consulta pela qual você já pode estar esperando há dias, semanas ou até meses? Evidentemente que não. Sendo assim, procure chegar cedo e avise o quanto antes caso haja algum percalço no caminho.

7. Tenha uma excelente equipe

O verdadeiro valor de uma empresa não se mede pelo seu patrimônio ou sua margem de lucros, mas sim pela qualidade de seus funcionários. Para um consultório médico, a coisa não muda muito de figura e investir em uma equipe de alto nível, com treinamento constante e o preparo adequado é muito importante.

Lembre-se que o primeiro contato do paciente será com a sua recepcionista e a atuação dessa colaboradora é crucial para deixar uma impressão boa para seu público. Faça reuniões periódicas, compartilhe os valores e a missão da empresa e ofereça, sempre que possível, cursos de especialização.

8. Utilize um bom software de gestão

Por fim, apostar em tecnologia é indispensável para um empreendimento que queira se destacar em qualquer setor e, definitivamente, um bom software de gestão pode ser um passo crucial para melhorar a relação médico-paciente na sua clínica. Esses programas melhoram a atuação, diminuem o retrabalho e reduzem as chances de erros.

A MedicalBox, por exemplo, oferece soluções que permitem que o médico visualize em um dashboard os prontuários, os agendamentos e até mesmo a marcação das suas cirurgias, ajudando também no trabalho da secretária. Também permite uma personalização incrível, de acordo com cada especialização e suas funções.

Essas são algumas das melhores dicas para uma boa relação médico-paciente e conquistar sucesso nesse setor tão competitivo. Seguindo essas etapas, você melhora o seu desempenho e deixa o seu público muito mais confortável e apto a retornar, além de indicar os seus serviços para conhecidos, amigos e parentes.

Gostou desse conteúdo? Quer receber outros artigos como esse em primeira mão? Então não deixe de assinar inteiramente grátis a nossa newsletter! Cadastre-se.

Responder

*

Next ArticleEntenda como o Big Data é utilizado na saúde